Apanha com o mesmo reio (Baião)

Na segunda sou cabo e no futuro marechal.
E depois sou foragido pra não ver manchete de jornal.
Qualquer ilha é minha fuga ou na Argentina ou Pantanal.
Em São Paulo faço toca sou raposa ou chacal.
Brasileiro de sucesso até provar o contrario.
Não sou Getúlio ou Fernando Cólor Nem Jânio ou Sguario.
Sou marrudo sou peitudo granfino e sou agrário.
Doutor e comerciante advogado e sou empresário.
Interprete como quiser é o povo que põem e tira.
Povo festeja e jubila também chora e delira.
Povo que manda no poleiro de quem aproxima ou retira.
Hitler quis mudar o mundo Alemanha foi pras embira.
Alexandre tomou um mundo e barrado no frágil Egito.
Jesus morreu em punho fraco lá do céu diz demito.
Fogo aos fanfarrões é reservado com seus hábeis gabaritos.
É triste o fim da história que no começo foi bonito.

Apanha com o mesmo reio entra na simbólica borracha.
Hoje ergue alto o nariz amanhã humilha agacha.
Leva vaia até da juventude fica igual parafuso na graxa.
Não adianta querer ser um deus se pisoteia e relaxa.
Todo o mundo esta por dentro quando um sobe outro abaixa.
Faz as malas e se desterra porque o povo os aborrece.
Lute a ser campeão enquanto o dia não escurece.
Enquanto a festa dos anjos aproxima farreie nas quermesses.

Mundo é sempre dos espertos mais não queira ser P.C  Faria.
Não associar com Nicolau com dinheiro na Suíça ou Turquia.
Porque no supremo tribunal o Pastor castra e tosquia.
É fantoche das autoridades imprensa rodeia e você arrudia.
Coma um bocado espere o outro porque afoga dá problema.
Pode ficar fraco destituído eliminado o emblema.
Mãos e pés amarados perdendo todo o esquema.
Vaca seca vai pros brejo tua agonia torna extrema.

Só haverá união na terra ao cumprir oração do Pai Nosso.
Daí eu acredito em tudo qualquer plano eu endosso.
Enquanto Satanás for o deus da terra na oposição eu engrosso.
Paraíso é lugar de sincero traiçoeiro vai pro fosso.
Inverte a situação um lugar que os ricos não têm prosa.
O pobre nos seios de Abrão o mundo é um mar de rosa.
Mas ricos rangerás os dentes é lá que os pobres riem e goza.
Maquiavélicos não têm vez sem cerveja uísque ou gasosa.
A valente corte portuguesa chegou ao fim o pescoço. Quem proclamou a liberdade.
Hoje já nem existe osso. Não queira comer angu, amanhã come o caroço.enchendo o
Mundo de tropeço acaba indo cair no poço. Vitória em meio de campo não mostra ser o
Melhor é de quem marcar, o tento com os jorros de suor. Façam prova dos nove e os logaritmos de cor diploma ou gabaritos sem títulos de major.

Composta em 9 de setembro de 2006 – às 09h47

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments