Chá de Murta (Baião, Corta Jaca)

Comecei a criar asa, saí da minha casa coração igual brasa.
Completando a vida adulta. Minha mãezinha querida
Riqueza da minha vida chorou com minha saída
Cansada de dar consulta. Por causa dum amor foi muito traidor
Não soube dar valor no meu interior destrói e furta

Se eu ficar nesta terá provoco uma guerra minha alma também aterra
Tornando a vida bem curta. Problemas que surgiu foi mesmo de dar arrepio
Botei fogo no pavio,e as dificuldade avulta,Com o santo que eu sou devoto
Converso com ele e noto, ganhando uma mega loto, fracasso na resulta.

Muitas mulheres no pedaço, belezas pra dar-me abraço pra que lidar com bagaço.
Quem toda hora insulta.Toda idade que eu tenho não fui de apertar sedenho
As éguas que eu obtenho não me engraço pagar multa. Mulher de passarela
Quero ficar distante dela amor falso se cancela. Não nasci pra ser biruta

Moça linda no esquema, jamais dará problema, sem parar surge na arena
Não regurgita não chuta. Meus prazeres vão estender vejo sucesso crescer
Amor firme pra me querer,Me estimula não me encurta,esquecendo do passado
Da falsa abandonado, amor desgraçado,e enfastiado,Vou curar com um chá de murta

Primeira vez na vida semente foi colhida na base de fungicida, colhi o melhor da fruta.
Maldita que cure a saúde tranque bem seu açude o organismo mude tome tintura de murta
Quero ficar distante sua vida nada garante, preso por um barbante, levando a vida de puta

Minha vida não inferna não sou homem de caverna, que apagou sua lanterna
Não faço morada em gruta. Mulher de gafieira, profissão de encrenqueira
Não me apronte asneira Minha inteligência é astuta, veneno de cascavel.
Espírito de lúcifer pensa ser grande mulher, mas não levo vida reduta.

Composta em 31 de outubro de 2006 – às 13h04

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments