Coração Modesto (Baião)

Espero que seu amor, não compartilhe com ninguém.
Nas noites longas geladas, nós dotado de amor e deleitar.
Mesmo nas baixas temperaturas, nós mantivemos bem aquecido.
Enlaçado em seus braços, sem ter canseira de te beijar.

Amor fomentado não mude ação, quero habitar dentro do seu coração.
Não quero ser fracassado pra não dar confusão, Cure-me hoje minha depressão.
Amor cego que eu sinto por você, fazendo de arrogada faz-me aborrecer.
Receio que minha ausência não te faça sofre, mais distante não posso viver.

Delongado tempo, mantivemos atraídos sem interrupção.
Quero ver-te mantida, distante de rapinas de gavião.
Neste mundo louco, proposta mentirosa cheio de ilusão.
Vem mantenha aquecida, sem transformar em carvão.
Na minha casa espero ansioso, mais já com exaustão.
Aproveite o tempo que me acha, aceso o tição.
Quero dar-te amor volumoso, abranjo em proporção.
Antes que tua cabecinha, aproxime noutra direção.

Dentro deste portão de mundo, que fácil abre e fácil se fecha.
Nós distanciado meu coração, fisgou uma flecha.
Dou publicidade sinto que nós não se avexa.
Meu coração modesto, com sua ausência abriu uma brecha.

Composta em 9 de setembro de 2006 – às 21h34

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.