Estranho o Mundo do Cravo (Baião)

A rosa desabrochou o cravo amarelou e secou.
A rosa fugiu de madrugada o cravo envergonhou.
A rosa escreveu um bilhete o cravo leu e chorou.
A rosa anunciou o regresso mais o cravo já suicidou.

Eu o Zé amando a rosa mais de nada adiantou.
Rosa amou um jardineiro e sua pétala pisoteou.
Arrependida volta arrasada mais o Zé não acreditou.
Quebraram os acúleos da rosa o cravo não se importou.

Mas forneceu cartão vermelho, pois o coração do Zé azedou.
A rosa não teve reciclagem os bichos os devorou.
O Zé chora de saudade em tempos feliz que passou.
Rosa apodreceu no lixo e o mundo pro Zé desabou.

Perfume que ela exalava para mim de nada serviu.
Perfume que eu armazenava ela beneficiou e destruiu.
Sereno que derramou dos meus olhos por ela não diminuiu.
Estranho o mundo que eu moro, pois a rosa secou o seu pavio.

Sonho que estou amando a rosa mais também de sua ingratidão.
Igual raio dum temporal rebentou o meu coração.
Sem amor da rosa traidora hoje amo a solidão.
A rosa foi derrotada e o jardineiro eu mandei pro caixão.

Composta em 14 de novembro de 2006 – às 14h42

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments