País de Classe (Baião Pagode ou Vaneirão)

 

Chegou a nova republica e nova constituição  sem aumentar o velho lema aumentando  inflação.
Humildes empobrecendo se fala em reforma agrária grande mama na teta da classe operária.
Aumenta a falta de teto no interior e capital problema arquivado só manchete de jornal.
Aumentam jovens na FEBEM lota penitenciária evapora patrimônios de pessoas proprietária.

Inferno atiça o fogo povo grita por salário diminui  sossego do povo aumenta salafrários.
Aumenta os maquiavélicos estagiários quem dá o seu voto a sofrerá de comentários.
Fica o micro salário mínimo só enxergamos com lente refugio sempre no 1º presidente.
Com atuais ficam de cabeça baixa não fica contente sobe preço de petróleo de outro continente.

Sobe preço do álcool produto que esta bem rente e dos alimentos que devora nossa gente.
O jeca tatu não sara sempre doente tubarão lota os bolsos e pros pobres é soda fervente.
Esperança  no futuro pra achar um competente;desde o começo não saiu um pra semente.
Desde os imperadores brasileiro é  dolente fracassos e fracassos sucesso esta latente.

Brasil foi não escravo da cortes de Portugal sempre cabresteado de monetário internacional.
Com a faca e o queijo que da resposta final Brasil nos grilhões dum monstro colossal.
Tratem de suas miopia com óculos de alto grau senão a vaca vai pro brejo sem um terrão de sal.
O povo vai pra sepultura com cinqüenta em geral e o pais de classe com golpe rápido fatal.

Precisamos dum marrudo que resolva o progresso e abrace astronômica dificuldade amasse.
E duma princesa Isabel não sei do qual partido que nasce e os brasileiros limpem suas faces.
Nossa letra da bandeira de um país de classe sem revolução e que os ares enfumace.
Dum Duque de Caxias que seu tetraneto seu herdasse que em nossa terra boa operasse.

Composta em 10/10/ 2006 

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments