Preso no Curral (baião ) de Adélio Carlini

reso no Curral  (baião ) de Adélio Carlini

Eu  gostei  e casei  com a Rafaela  amava muito ela mais só cocei  as canelas  porque ela tinha a porta sem tramela. Dizia ser firme no evangelho   Dizia estar só ao lado do Adélio,mais dormia e dizia ò meu velho  é assim ò meu velho  ò meu velho
——————————————————————————————————————————–
Acordava assustada e dizia  ò não é o Cornélio, é o Eucélio  eu dizia meu amor é o Adélio, daí puuuu, que falta é o Crélio, ,puuuu,   puuuu, durma muito bem, Adélio !  meu  sonho  foi bom ó velho
————————————————————————————————————————-
Eu via a sua atitude   nada de biatitude  sem dominador que ajude  meu caminho  estava no ataúde  era sonâmbula  sem saúde  em ponto que não aconselho, dormindo dizia  vem Amélio  vem Amélio,vem Amélio Pensava que tinha coréia  dizia  estou aqui  ai,ai, ai, Cornélio  ai,ai, Cornélio ,Eu dizia  é o Adélio  mais ela dizia quero é o  Aurélio,  o Aurélio
——————————————————————————————————————————-
Vi a minha vida muda,  Vendo chifres multiplicar, vivia preso num curra  ela queria só passear, eu era o ultimo para amar  vinha cheirando gambá .Acabou o meu  engelho,pois ela dormia  e dizia  Hélio ó Hélio, assim não Célio, ó Amélio  `Cornélio  esconda do Adélio  ò meu velho  ó meu velho
———————————————————————————————————————-

Em   22de janeiro de 2010-01-22

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments