Sem Arquiteto (Baião )

Meu bem a muitos parsec vejo você separar.
Eu não tenho solução pra você voltar me amar.
Não é que me telefona pra receber notícias suas.
Mais recebo informação de minha amiga lua.

Ela aparece chorando em lagrimas flutua.
Mostrando o ambiente de nossa amizade crua.
Sei por que vivo chorando estou despido e você está nua.
Nosso meigo coração não há carinho que distribua,

Morando ao lado do muro mais separado continua.
Com outro vive amarrada e jamais saindo na rua.
E o novato tu não ama vagaroso desvirtua.
Com outra também estou amarrado sem arquiteto que construa.

Nossa vida de antigamente é difícil unir com a tua.
Os anos acelerado eu rodo igual peru e você perua.
Sem solução nós tentamos, pois o fracasso abutua.
E nossa morte vem chegando com a velhice que avua.

É informada do nosso amor porque escuta a radio F.M.
Declaro meus sentimentos você chora soluça e treme.
Nosso coração modesto inocente se espreme.
Isolado num espinheiro ou num deserto sem oásis e tênis

Os parsec são aqui mesmo numa vida derrotada e perene.
Nós distante há um metro e meio racionado que nós tremem.
Num abismo imensurável na tristeza ambos gemem.
Nosso navio naufragado sem timoneiro e sem leme.

Composta em 27/11/2006 Hora 12;53

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.