Riacho de Prazer (Canção)

Estou liberto igual pássaro livre da gaiola distante de você é terapia pra minha cachola
Sua vida noturna nada te consola eu jamais divorciarei da minha casta viola
Ela conhece meu íntimo as melodias que te arrasa e assola.
Versos derriçam igual um tufão ou iguais folhas de carambola.

Meus versos vão te condena pela eternidade sem piedade.
Dos dias de aventuras restará um oceano de saudade.
Você tornou popular teus escolhidos elogiam sues atos na cidade.
Escolhida pela atitude mesquinha na maldade e vaidade.
No fundo esconde sem relatar infidelidade e verdade.
Seu choro interno desata na aparência vem a tona infelicidade

Teus amores não parecem ser nada promissores sem valor.
Com visões noturnas recorda a eficácia do teu velho amor.
Pesadelo faz acordar e lembrar de quem dava calor e vigor.
Derretia seu gelo com um potente motor com esplendor.
Formando um riacho de prazer com líquido em vapor.
Hoje você é um riacho de lágrimas em suas internas dores.

É um caminho sem retorno de fria morte, jamais volte.
De nada adianta queixar-se da sua escolhida negra sorte.
Seu camisolão sem ação não acalenta isento de reporte.
Não esqueça o seu velho amor que você declarava tão forte.
Seu novo amor mata o tempo com pose e exporte.
Não me procure concertar não me acha no leste sul ou norte.

Composta em 01 de novembro de 2006 – às 18h04

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.