Novo Fracasso (Cururu)

Quando viemos nesta terra até o Brasil estava em guerra.
Quase todos nós se ferramos com maliciosa afronta.
Diziam que pra lá do estado havia bom ordenado.
O dinheiro todo é gastado em conversa que outros aprontam.
Peguemos mala de viajem pra todos comprei passagem.

Aumentando dívida nos armazéns grande miséria logo vem.
Fizemos longas viagem de trem meu plano quase desmonta.
Enfrentei nos cafezal no norte do Paraná quase morremos de trabalhar.
Até hoje que amedronta. Hoje estou velho acabado.
Meus filhos estão em doutorado futuro alicerçado amonta.

Com noventa anos de idade estou preso na cidade.
Pra fala toda verdade eu levo uma vida tonta.
Sucesso que foi barbaridade novo fracasso aponta.
Juventude use minha experiência da minha competência.
Tive muita competência mais tornei só igual pele de lontra.

Seco num beco sem saída, pois estou no fim da vida.
Oferta por Deus é oferecida só por ele é que reponta.
De tudo que eu tive aqui até chifres possuí.
Depois foi ela pro Juqueri eu marido multipliquei de contas.
Entre as laminas dum punhal só vejo futuro fatal.
Entre os milhões que estão de ponta.

Composto em 8 de novembro de 2006 – às 21h05

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments