Cercando Frango

Depois de seis dias de trabalho no sábado eu tomo porre.
Nos braços das lindas meninas Bons momentos que ocorre.
E as minhas notas de cem pra fora do bolso escorre.
Meus sofrimentos da semana alegro quando tudo discorre.

E a maior alegria da vida E nessas horas nem que borre.
Sem dinheiro cercando frango não tem ninguém que me enrole.
Vida de boêmio das noitadas é o prazer bobo que decorre.
Minha vida curta em delírio nos anos curtos que percorre.

Tenho proteção de boba na casa nas madrugadas me socorre.
Com bofetão e chineladas ela diz que ninguém morre.
Nas pilhérias de falsos amigos tirititando é vomito que jorre.
Em escarcéu permaneço só de mim todos eles corre.

Abaixo o guizo para a minha amada aos domingos tudo incorre.
Segunda cedo estou no batente sinto tudo que corrobore.
Próximo sábado volto disposto e comigo ninguém bole
Dinheiro deixa eu atapetado Ser ter alguém que me engole.

Composta em 2/3/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.