Coração sem Detergente (guarânia)

Coração sem Detergente (guarânia)

Não sei se sou o João de barro ou sabiá. Sei que canto neste sol do dia.
A noite já se foi e a madrugada. Canto para quem tem alegria.
Os sem amor vivendo despeitada. Precisam ir buscar freguesia.
Ficando triste de cara fechada. É borboleta de flor em flor de quem aprecia.

Tem valor quem tem ford e chevrolet. Amores falsos coração sem detergente.
Perfumes das flores não satisfazem a múmia. Na comunidade finge inocente.
Carranca não esconde o segredo. Ancestrais poluíram todo ambiente.
Sou feliz em pescaria. E borboleta triste e jamais contente.

Conheço escorregadio sem beira. Tocaia esconde a falsidade.
Conhecida dos garanhões. Em falsidade é presa e quer liberdade.
Percorre cabarés noturnos. É popular é reporte na cidade.
Vende seu corpo por notas graúdas. Pensa ser status com a vaidade.

Meu território é sadio e não mistura. Deus me castigue se estiver errado.
Borboletas que vivem dia de hoje Tem atitude e cara de diabo.
Quem vive com Deus irradia alegria. Só se o porco for pitoco não torcer o rabo.
Deus continua me alegrando. Quem é de Deus entra em meus agrados.

Composta em 8/8/2011 as20 h28

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.