Adélio Carlini Guarânia Engenhando amor (Guarânia)

Engenhando amor (Guarânia)

Sofri sete anos na penitenciária dia e noite olhando seu rosto.
Preso estava pelo excesso de amor pra mim no mundo foi o maior gosto.
Sete anos inteiros vendo teu semblante sem esquecer minutos e segundos.
Vendo sempre na frente do meu trabalho amor de novidade deste fim de mundo.

Você liberta fazendo tudo o que quer foi engenhando amor de traição.
Foi me desprezando eu não percebia que entregava a outro seu coração.
Fui notando carência dos seus carinhos escorregou apressado igual sabão.
Pois na tua espera novos aproximava, os mais destacados frágeis camisolão.

Hoje tiro triste rima muito constrangido meu conforto é nas cordas do violão.
Amor traiçoeiro deixando eu em liberdade eu livrei dos tentáculos da ingratidão.
Você vaidosa vai trocando de amor pegou de tarefa essa inclinação.
Num mundo liberto sem haver jurados esqueci nosso amor e anos de prisão.

Nada mais faz voltar ao passado traiçoeiro minha cara não pode chegar nesta situação.
Sei que você esta num beco sem saída parado o bicho pega e se correr vai ao roldão.
Eu aqui medindo milhares de dias com paciência tolerei sem discussão.
Gora que o canário saiu da gaiola arisco jamais cairá no alçapão.

Composta em 5 de outubro de 2006 – às 07h25

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado

Drama Familiar (Guarânia)Drama Familiar (Guarânia)

Margarida vivia num inferno em vida com maconheiro surrando constante.                                                                                                                                                                              Dois filhos adultos mais uma recém nascida abandonaram tudo e foi em terras bandeirantes Por trinta anos que deixou sua