Adélio Carlini Guarânia Frutos que colhem os Desocupados (Guarania)

Frutos que colhem os Desocupados (Guarania)

 

Na abóbada de um forno de lenha pensou esconder para escapar.
Mais o forno estava quente pior esconderijo para encarar.
Profissão negra de abigeato com a policia tinha de acertar.
A represa estava rompida chegando seu dia de azá.

 

Ciro na liderança de companheiros grande notícias de jornal.
Ao aberrar da sociedade não podia mais ver o sol brilhar.
Policia cercou e prendeu a quadrilha do arraial.
Com dinheiro de gado roubado nem advogado dá pra pagar.

Foi limpeza de detergente pros fazendeiros festejar.
Profissão de um quarto de século não resolveu os pais atapetar.
Sem trabalho sem disciplina na juventude com fartura pra gastar.
Vai ficar esqueleto na prisão premio da AIDS para acariciar.

Universitário não quis ser doutor em ladrão foi sujeitar.
Na profissão enganosa pais arrasados para envergonhar.
Frutos que pais vêem nos desocupados os tempos sem aproveitar.
Riqueza foi traiçoeira ingrata por ver status desabar.

Composta em18/11/206

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado

Boneca YedaBoneca Yeda

Gastei volumosas notas. Com namoro com a linda Yeda. Comprei pra ela carro de luxo. Na concessionária Takeda. Fiquei charque em sua morada. Conhecido na alameda. Fui bombardeado de ciúme.