Quebra ossos (Guarânia)

O melhor é que amaldiçoenta. Vale mais do que setenta.
Só numa noite me arrebenta. Passa meses que naquilo nem comenta.
Só doze vezes no ano, que no amor nós enfrentamos, com doze nós alimenta.

Bigail esta nos trinta anos eu nos setenta.
Sou igual o vinho velho que no odre me fermenta.
Distante sou manga de camisa passo tempo nem me esquenta.
Perto sou diamante potente corto qualquer ferramenta.
Você vive me judiando meu íntimo triste lamenta.
Seus coices de bagual quebra osso é violenta.

Pena que eu sou igual T.V antiga que a imagem não apresenta.
Mais choro com sua ausência igual criança remelenta.
Ame-me os trinta dias por mês, testando se nós agüenta.
Volto aos dezoito anos e sem fungar nas ventas.
Meu amor igual ao seu mais e mais nós incrementa.
Sou igual vaca holandesa de teta e úbere salienta.

Mais ao ver sua lingerie vermelha. Perfumada e lamacenta.
Meus ânimos não se resumem sendo branca nós apascenta.
Sendo verde nós estimulamos a esperança aumenta
Lingerie a guerra é diferente você fica peçonhenta.
Mais é saudade de nossa ausência nada na vida contenta.
È trinta dias que isolamos É um amor puro que ostenta

Composta em 08 de fevereiro de 2007 – às 12h45

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.