Real Afeto (Guarânia)

Na cidade que eu passei meu amor deixei e chorei.
Vou dirigindo na estrada e vejo você na encruzilhada.
Cada cidade que aproxima mais lembrando da menina.
Lembrando seu afeto com nosso amor completo.
Adeus Guaratinguetá,logo aí quero volta.

Enquanto tomava cerveja sem esquecer de quem minha alma deseja.
Sem esquecer o modo que abraçava e minha mão não distanciava.
Cada vez mais excitada topávamos as fortes parada.
Meu caminhão a mais de cem na estrada, sem dormir a noite até madrugada.
Ligo o celular espero comunicação em ziguezague dirijo o caminhão.

Hoje não será única aventura não acostumo ser escasso de fartura.
Não sou homem mais bagaço sem dormir no teu regaço.
Buscarei para estar em minhas jornadas, assim sou feliz na estrada.
Desaparece a carência de amor sou entanguido sem o seu vapor.
Se eu dirigir longe de você num desastre vou morrer.

Com você não serei mais garanhão de estrada não substituo na encruzilhada.
Não viajo mais sozinho sem encurtar a vida nas curvas do caminho.
Deliro sem você não vejo nada alucinado tiro o caminhão fora da estrada.
Com você viajarei ano inteiro, continuo célebre carreteiro.
Com você concreto o coração o resto tudo é pra mim ilusão.

Composta em 30 de agosto de 2006 – às 09h17

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments