Rei da Cocada

Tíbia e perônio fizeram combinação. Com os músculos e o estragá-lo Reuniu com o nervo ciático. E o reumatismo teve embalo. Derrubei fisionomia com dores. Sem escapulir caí no fundo do valo.
Todos meus amores falsos distanciaram. Daí sim caí do cavalo.

Mais invertendo regresso de amigos. Tomei vacina de otimismo.
Amigas deram calor e ânimo.disse adeus na praga do reumatismo.
Com associação sadia acalentadora Saí ileso do infernal abismo.
Foi Deus quem deu cem por cento. Nas alturas com novo batismo.

Enquanto fortalecia em tratamento. Subi no alto da escada.
O Pai eterno abraçou-me. Correu lágrimas de enxurrada.
Livrei dos infernos do passado. Agora tenho a vida mudada.
Verteu fé inabalável. Aprendi o fio da meada.

Ele fez nosso esqueleto. Com sua mão abençoada.
Somos vermes em seu poder. Sem ele não somos nada.
Não adianta ser orgulhoso. Por ser o rei da cocada.
Ricos quem chora primeiro. Caindo na emboscada

Composta em 1 de abril de 2011

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments