Zico Frois (Guarânia, Rasqueado)

Fui fazendeiro em Mato Grosso em São  Paulo ófic boi
Em Goiás fui cerealista em Rio Grande fui caubói
Carioca no casamento com graciosa de Niterói
Daí virei cana de engenho ela só me torce e mói
Eu que sempre fui de aço, mas, igual ferrugem ela me destróe
Igual humorista de circo só dotado de retrós
Todos os planos que eu  faço maldiçoada  obstrui
Só fingindo de doente não apalpe aqui porque doe;

Seus planos maquiavélicos ela entende e constróe
Era moça vigorosa hoje parece Mongol;
E minha voz de sustenido hoje falha até bemóis;
Fui por ela envenenado com fornecida aerozois;
Fui homem de grande respeito hoje sou igual anzóis;
Vou divorciar com ela voltar pras bandas de Lençóis
Vive só trocando língua ainda diz que eu sou igual caracóes;
Vivo igual lesma escondida em cavernas e cafundóes

Essa múmia descarada que de sossego a todos nó is
Quero ser violeiro afamado cultivar de novo minha voz;
Vou devolver ela ao sogro que volte ao bairro dos Góis
Sou conhecido atilado conhecido  Zico Fróis

Composto em 21 de outubro de 2006 – às 14h34

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments