Três Turnos (Moda Campeira)

A Rita despeja amor. Sabe que moro num casebre.

Ela sabe que é só mesmo eu. Quem cura a sua febre.

Sou exceção que entende o ramo. É de longe ela percebe.

Sem deixar que nada estrague. E o nosso amor em zebre.

Somos inteligentes na rotina. E não quero ser um débil.

Sou pobre grosso e sei ama. Isso que ela exige do Cleber.

Nos forrós nós sabemos divertir.  E mais animado quando bebe.

Somos admirados pela atitude. Quando nós levantamos a lebre.

Deixamos todos pasmados. Ao ver a inteligência do Cleber.

Festanças nós temos o mês inteiro. .Nosso lar é célebre.

O nome dela está nas manchetes. E não haverá quem os quebre.

Sem trégua ou armistício É o que pode registrar o Cleber.

Quanto mais uso reluz. E com nós não cria sebe.

Não adotamos despedidas é três turnos não retrocede.

Somos fenômenos do momento. Pois ela ama mesmo o Cleber.

Composta em 29/6/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.