Solitária (Moda de Viola)

Fui uma menina jovem volumada de amor
Casei me com pouca idade agüentando pesos da vida
Escolhi um homem maduro amava –me intensamente
Igual casal de canarinho encantada amadurecida
Os anos foram passando e nosso amor só aumentava
Numa cerca intransponível eu era vigiada
Dia inteiro de amor sem trégua sem descansar
Na vanguarda permanecia sendo a mais amada

Antes de ir ao trabalho  grande dose de amor repetia
Abraçava –mos com prazer dando tiáu ao seu amor
Felicidade foi curta devorou como tufão
Chegou uma desgraça repentina com dor
Deixando o lar animado notícia dois minutos após
Acharam ele quase morto pronto só pra me despedir
Dois sem fala um morrendo outra traumatizada
Choque brusco eu vi o mundo despencar e comprimir

Meio séculos passaram mais a cena está no meu sentido
Jamais previa este tipo de separação
Anos passam veloz com este cruel destino
Estraçalhando uma menina sem descarregar o coração
Todo dia de finado sou a primeira levar flores
Saudade sem esperança acabrunhada meu pensamento
Aquelas marcas amorosas não diminuem minhas dores
Felicidade passada gravadas no meu aposento

Composta em 21/7/2006

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.