Batata Podre (Pagode)

Lembre quando eu esperava e você com o pé na estrada.
Cansado de esperar deitava e você vinha de madrugada.
Eu bem quietinho anotando e não dizia nada.
Você foi se incomodando da minha paciência ilimitada.

Procurou atacar com armas modernas sofisticada.
Naquilo que é coqueluche do mundo sem prova de nada.
Em amor fraternal contínuo a serviço da humanidade cansada.
Sou uma arvore de saúde onde a humanidade é curada.

Quem recusa infecciona se o meu amor não lhe agrada.
A Jussara fugiu do diálogo sadio hoje sem acertar a encruzilhada.
Caminhou e num beco sem saída por todos é odiada.
Rodeado de batatas podres em tudo é desprezada.

Inimigos contaminou mesmo assim deles é rodeada.
Recorda o tempo salutar duma era já passada.
Velhice como relâmpago sua névoa é enrugada.
Tire proveito do ditado água passada não é aproveitada.

Período de amor passado ficou  anestesiada.
Chore no leito e recorde nas horas do silêncio da madrugada.
Oculte ao seu companheiro dos pesadelos ao acordar sufocada.
Do teu velho amor não esquecerá carregando a barra pesada

Composta em 5 de novembro de 2006 – às 14h50

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments