Enigma sem Intérprete (Pagode)

Bandidos superlotam o mundo e a maça não faz quase nada
A máfia no mundo expande em ritmo bem acelerada
Bandidos têm cobertura senão a maldade teria esgotada
Sinal que no planeta total vai ser logo expurgada
Bandidos e gangue em classe alta morrerão com a vela apagada
Contenda não conhece pelos rótulos por mais que seja examinada

Pobres morrem a cacetadas abastados burlam a lei
Ninguém conhece o nosso íntimo seja pobre, ou seja, rei.
Esperem o pior e tudo ao chegar a valer do que fez
O mentiroso caborteiro e cruel tem ferrão milhão de vez
Morrerão em leito catingoso surrado dias anos e mês
Sem fé esperança e na cegueira acometendo seu freguês.

Só tem salvação na terra quem tem amor abnegado
Seja rico, ou seja, pobres ralés maquiavélicas declarado.
Morra sem Deus nesta terra por ele não será ressuscitado.
Se existisse inferno seria bom churrasco para diabo
Procurem fazer coisas direito porque ateus não são cadastrados
Morre empresários ignorantes morrem ignóbeis e letrados
Não ria fazendo pilhérias não pensem estar com o cadeado
Incautos vão para o escanteio pensam ser firme mais é aleijado
Queiram até me esquadrinhar-me quem estiver em cima do telhado
Lembre-se que Herodes morreu bichento quanto estava orgulhado
Hoje o câncer e diabete ceifam a verdade não é forjado
Entenda o que eu quis dizer é metáforas seus safados

O mundo enquanto esta com os grandes debaixo esta analfabetos
Abra lata de sardinha vencida logo enche de insetos
Só sabe a razão verdadeira quebrando bem o concreto
Sujeito a revogação dos atos mais só Deus quem da o veto
Todo Poderoso foge daí o ai porque ele é o Grande Arquiteto
Na borracha estica tudo até provar tudo o correto

Trina a araponga apaixonada faz estremecer os matagais.
Ouvindo o globo repórter muitas notícias de jornais.
Titubeia a justiça exausta por ver leis acobertar os marginais.
Polícia prende os bandidos advogados aplainam os tribunais.
Réu sem direito a defesa cortam seco língua de tais.
Os inocentem pagam caro superlotam vingativos e rivais.

Trina araponga dando troco Condena o seu grande amor.
Escolhe sucatas beliscando migalhas insípidas sem sabor.
Filhos que formamos no ventre com despeito ciúme e rancor
Leva a vida nas matas secas vendo nas folhas o dissabor
Igual bateia em ocupação separa os que têm mais valor.
Assim é o jogo sujo feminino igual borboletas de flor em flor.

Quando há defasagem oculta maiorias correm sem rumo.
Quando eu estiver errado faço força do erro que assumo.
Quando houver carne e osso pra ver o interior daí até eu me acostumo.
Mas é impossibilidade de acertar até lá inocente perde o rumo.
Sai dinheiro mal aplicado, os sábios aumentam o consumo.
Vai para a defasagem e seca saindo  fora do prumo.

ADELIO CARLINI MORA FIRME NA VILA SANTA TEREZINHA.
DE TERRA QUE CANTA GALO INDIO SÓ NÃO CISCA AS GALINHAS.
ESCREVO METÁFORAS EM COMPARAÇÃO INTERPRETE BEM NA LNHA.
LIGO ENIGMA SEM DECIFRAR NÃO GOSTO DE LADAINHA
INSOLUVEL COM VERDADE FIRME E TENHA ELA DE MADRINHA
O TAL QUE ME APEDREJAR-ME COM DEUS NÃO TIRARÁ FARINHA

Composta em 17 de novembro de 2006 – às 14h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.