Espaçosa Residência (Pagode)

Cachaço fuçou o banhado não encontrou resistência.
Jacaré passou a lagoa porque teve competência.
Elefante derrubou a tromba perdeu toda aparência
Desanimo que me acarretou sem haver conseqüência.
Assim foi a lua de mel que sem amor teve em falência

Num brumado passa o touro mesmo com chifres em saliência
Orador ficou sozinho afugentando toda assistência
Frustrado com ocorrido sumiu sua eloqüência
Marisquei só barata de água com sérios amores de carência
Virei um bobo alegre derretendo a inteligência.

Atingiu o metrô a estação com energia em insuficiência.
Via Dutra e castelo branco com o transito sem ocorrência
Aquela viela desejada lotou de tatu na gerencia
Escolheram suas covas na espaçosa residência
Jeripóca pia sem anzol sem provocar sonolência

Mas na falta de alimento até ovelha perde a paciência
Desanimei com a preferida por ela ter aderência
O prazer de um varão vigoroso é ser garboso na querência
Mas se a vergonha concretar rodando sua penitencia
Congela o amor aguardado que reservava pra alcunha da Hortência

Composta em 25 de setembro de 2007 – às 10h30

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments