Beijo Doce (Valsa)

Você é sombra de árvore copada também meu fofo travesseiro.
A minha cerveja gelada é churrasco no meu braseiro.
É a minha rede armada posso balançar o dia inteiro.
É a minha besta enfeitada sem eu usar arreio e baixeiro.

É minha afinada viola é a minha imperatriz.
É a única que me consola pra esquecer tempo infeliz.
Alimenta com mel e escarola amendoim e abacaxi.
Dá-me leite em tigela ou caçarola beijos de fazer tinir.

Também alimenta com o modo de sorrir acalenta na aflição.
Pro meu futuro não desistir também é carne e sangue do coração.
Canta hinos fazendo dormir adormecendo chorando de emoção.
Do meu prurido faz desistir no meu cochilo ouço oração.

Faz de mim uma criança faz ficar até fora de juízo.
Do passado tirando lembrança parece que estou num paraíso.
Deus perdoa a extravagância estende a poderosa mão.
Metamorfose da esperança com meu triunfo na profissão.

Composta em  4 de novembro de 2006 – às 9h44

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.