Caráter Honesto (Valsa)

Barzinho, barzinho, barzinho aqui estou acostumado empacar;
Porque a mulher que eu tanto amava é no barzinho que vem trabalhar
Quero mostrar minha fisionomia só pra a ver ela chorar;
Ela desprezou-me e foi para mundo sem retorno ou chance de amar

Quero mostrar meu caráter honesto ela atrás do balcão a observar
Saiba que eu ainda sou aquele garanhão sabendo o segredo de mim gostar
Barzinho, barzinho, barzinho que fique na história testemunha para lembrar;
Dormia em meus braços potente sem dar valor pra quem sabe amar

Quero exibir minha popularidade quero a ver ela enfrentar o tormento.
Pisoteio meu coração cansado vida de novidade agora enfrento;
Aboli este meu coração amoroso tem agora outro tipo de sustento
Que fique morrendo de saudade lastimando tendo eu no pensamento

Composta em 26  de  outubro de 2006 – às 9h50

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments