Ódio Indestrutível (Valsa)

Faça seus amores, mas só pensando em mim.
Abrace seu parceiro, e fique constrangido enfim.
Finja que está dormindo mais lagrimas correndo no rosto.
No amor há falência seu prazer sonhando comigo que terás gosto.

Não há sossego choro interno de mim jamais esquece.
Noites longas só fingindo, atormenta até que amanhece.
Nem trabalhando mudam o pensamento me vê onde olha entristece.
Busca diazepam e calmante e teu semblante embrutece.

Recorda meu sorriso e amor hoje é só fantasia é mentira;
Teu desprezo dará frutos esperado alucinada chora e retira.
Especialista sem descobrir solução doença que todos admiram.
Em três carteiras de cigarros mostra porque delira.

Não terás jamais meu afeto o intimo sadio que você destruiu.
Amor por ti esgotou-se culpada porque só mentiu.
No caminho sem retorno esmagada com depressão.
Amor vira ódio indestrutível e os amores novos sem solução

Composta em 10 de julho de 2006 – às 08h07

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.