Facadas no Coração (Valsa)

De lá do balcão ela me olhava, mais só interesso num copo de bebida.
Hoje te odeio por tua traição, não te chamo mais você de querida.
Teus olhos correm pra ver se estou no prumo, e me ver se está certo no nível.
Minha atitude de masculino, mais para voltar amar é algo impossível.

Você lastimando na embriagues, escuta no C.D a minha voz.
Recorda quando nós éramos felizes, hoje só tem espinho aguçando nós.
Minhas melodias fazem investir no choro, vou dando facadas no seu coração.
Disfarça abraçando seus aventureiros, tenta esquecer de quem tinha paixão.

Faço um estribilho você recorda, volta o C.D entregando ao choro.
Lembra de quando havia juras de amor. e felicidade em nosso namoro.
Minhas melodias atestam as falsidades, de quantas vezes que me logrou.
Acho eu impossível gostar de novo, da perversidade do seu falso amor.

Não quero te amar continue no inferno, os aventureiros sem  dar felicidade,
Enquanto abraça em troca de bebida, do nosso amor tem falência e da saudade,
Eles pensam esquecer teu corpo gélido, mais gelado é teu falso coração,
Jamais encontrará o tempo feliz, fazendo morada atrás do balcão.

Composta em 25 de outubro de 2006 – às 17h41

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.