Hipertensão do Amor (Valsa)

Sol apontando chorando, no escarlate ou carmesim.
Os raios de escarlate, em apoio chorando por mim.
Minha solidão ele não isola, visita ilumina o meu jardim.
Meu amor distanciou sem me despedir, mais o sol não quer que seja assim.
Manhãs orvalhadas ele vem acalmar, minhas severa cólicas de rim.

Sol que chora comigo dia e noite, acalma desde as madrugadas.
Sente comigo as cólicas e convulsão, coração sente dando pancada.
Hipertensão do amor sem presença dela, a dor não é diagnosticada.
Mas se o sol esconde nas nuvens, eu também escondo a dor na revezada.
Choro sim nesta  U;T.,.I e sol enfermeiro,  e médico  a dor é  aliviada.

Desprezo que eu senti dor inesperada sem forças sem poder gritar.
Sem teu regresso só você tira de um choque, Claudia no intimo que faz chorar.
Desprezo dum grande amor sem terapia experiência que só eu posso contar.
Permaneço num estado de coma peço a ti sol que só você pode me salvar.
Ela ficando sem luz solar e calor  assim ela voltará arrependida me amar.

Composta em 12 de novembro de 2006 – às 8h50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.