Idílio passageiro (Valsa)

Na noite de inverno gelada escolhido em ser amado por ti.
Jamais esqueço dezoito horas reservei inteiro sem dormir.
Recordo triste amargurado esperando de novo repetir.
Saudade não quer desatar meu íntimo colou não quer mais sair.

Chorando procuro informando sou um policial fracassado
Poderoso na profissão num amor puro mas foi desintegrado.
Você igual beija flor não repete amor e promulgado.
Pois fora do ponto vendo você em pontos ignorados.

O idílio passageiro igual água que se hospedou.
Voltando em forma de nuvem ou num temporal devastado.
Meu coração sofre tremendo golpe sem presença de doutor.
Eremita chorando a saudade dum amor que distanciou.

Quisera eu voltar aquele dia para te aquecer e ser aquecido.
Desesperado eu quero confiante neste inverno sofrido.
Escolhendo você numa infinidade numa noite ser teu marido.
Pois outras não satisfazem é para eu dar-me amor bem merecido.

Composta em 13 de novembro de 2006 – às 16h41

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments