Isento de freio (Valsa)

Você sabe ó mulher Você sabe por você nunca tive devaneio.
Cada vez que você me procurava eu não sabia reservar sesteio.
Você sendo mulher bonita eu caprichava no manuseio.
Nossas carícias no mútuo amor sem falência ou no vermelho.

Com nós não havia pesadelo é realidade ambos no costeio.
Dormia sonhando com os anjos de falsidade não tinha receio.
No decorrer de muitos decênios ainda não enjeitamos os veraneios
Passeamos em doce harmonia para amor na temos recreio.

Janeiros passam e nós renovando igual vinho velho firme no esteio.
Nossa casa não existe cupim incorrosível só no galanteio.
Igual casal de canarinho dia inteiro nós estamos no gorjeio.
Confiante nos dias futuros nossos corações só mora asseio.

No dia em que deixaremos a terra Todo Poderoso segurará no permeio.
Teremos felicidade futura no paraíso e os santos no meio.
Na eternidade com proteção nosso amor isenta de freio.
Minha esposa chama esperança o universo aprovou com meneio.

O que interessa é a salvação, sendo nós aprovado no sorteio.
Grande Pastor dando certificado chutando cabritos pros escanteio.
Nós dois ovelhas obediente deitado num pasto de trigo e centeio.
E água gelada caindo da cascata mais os cabritos apanhando de reio.

Composta em 11 de novembro de 2006 – às 8h32

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments