Adélio Carlini Valsa Ivana eleita (Valsa)

Ivana eleita (Valsa)

Escolhi  bem  minha  querida, pois não sou emoliente.
Em duas horas sem idílio, já não ficamos contentes.
No meu êmbolo ela espera, fico emerso num embude.
Empanamos no ambiente, eu afogo, enforco na atitude.

Não empeno só empanzina. Empina empolga encapota.
Em desespero e no grunhido. Amor engorda depois enxota.
Na enxovia encerra a epopéia. Na esguelha  nós  escancha.
Um esfíncter é nosso empório. Nós entrosamos não desmancha.

Se a escova elimina a escória. O amor empaca ou entabula.
Num esmero fino admirável. Somos encastoados excelsos nós entabula.
Andei peregrino pesquisando. Cheguei enfeitei minha espreita.
Meu lar sorri com o lema pedagógico. A Ivana esta eleita.

Composta em 05/12/ 2010

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado