Adélio Carlini Valsa Melhor jeito de Amar (Valsa)

Melhor jeito de Amar (Valsa)

Partindo estou mais se eu sentir saudade voltarei
Você também, arrependendo me telefone eu te perdoarei.
Nosso amor não foi mentira num acontecido sem eu acreditar.
Pois meu coração gravou teu juramento que não ia me deixar.

Vou embora, mais deixo meu afeto e calor que nunca você possuiu.
Jamais no mundo encontrarás outro que tope este desafio.
Teu amor dúbio mostra que há outro no meu lugar.
Mesmo no seu erro sabendo de tudo saberei te perdoar.

Se eu não por enchia, suas necessidades não seria empecilho.
Pois neste mundo, jamais encontrarás outro com este brilho;
Sua atuação costumeira, não muda, eu é que ficarei em primeiro lugar.
Você chorando, me procuraras entendeu só eu que tenho o melhor jeito de amar

Composta em 28 de setembro de 2006 – às 11h

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado

Ciúme Doentio (vanerão) ou valsa Chegou a madrugada fiquei sem sono amanheceu o dia de vai e vem. Minha amada deixou no abandono dor violenta sentia por perder meu bem. Vem no pensamento quando feliz estava completando o dia trabalhando em união. Completando um ano desta cena brava os prazeres na agonia aproximam do caixão. Criminosa algoz mudou o modo de agir Ciúme doentio devorou e apodera. Derrocada para nós mais vai demolir do mundo tenho fastio nada me recupera. Águas passadas são inúteis não gira moinho sua associação não fertilizou manancial esqueceu. Intensificava amores fúteis piscada ao visinho mais seu ciúme declarado se esclareceu. Morrendo ao beijar outro num amor traiçoeiro sem achar um melhor não esquece de mim. Minha juventude é de vigor potencial não é exagero os molengos relaxa ao ver seu fim. Ela é um casulo sem seda sem utilidade maledicência só produz Ciúme doentio. Nem que eu sofra por hostilidades jamais conte comigo porque queimou o pavio. Composta em 12/8/2011Ciúme Doentio (vanerão) ou valsa Chegou a madrugada fiquei sem sono amanheceu o dia de vai e vem. Minha amada deixou no abandono dor violenta sentia por perder meu bem. Vem no pensamento quando feliz estava completando o dia trabalhando em união. Completando um ano desta cena brava os prazeres na agonia aproximam do caixão. Criminosa algoz mudou o modo de agir Ciúme doentio devorou e apodera. Derrocada para nós mais vai demolir do mundo tenho fastio nada me recupera. Águas passadas são inúteis não gira moinho sua associação não fertilizou manancial esqueceu. Intensificava amores fúteis piscada ao visinho mais seu ciúme declarado se esclareceu. Morrendo ao beijar outro num amor traiçoeiro sem achar um melhor não esquece de mim. Minha juventude é de vigor potencial não é exagero os molengos relaxa ao ver seu fim. Ela é um casulo sem seda sem utilidade maledicência só produz Ciúme doentio. Nem que eu sofra por hostilidades jamais conte comigo porque queimou o pavio. Composta em 12/8/2011

Ciúme Doentio (vanerão) ou valsa Chegou a madrugada fiquei sem sono amanheceu o dia de vai e vem. Minha amada deixou no abandono dor violenta sentia por perder meu bem.