Adélio Carlini Valsa Somos Desastrado ( Valsa)

Somos Desastrado ( Valsa)

Rute meu grande amor minha juventude

Rute uma desfolhada flor mas amor de virtude

Aonde eu ia podia ver a Rute correndo atrás

Mas eu acanhado pelo sexo oposto perdi para nunca mais

Fui embora noutras terras e Rute ficou chorando de dor

Quando voltei busca-las Rute substituiu por outro amor

Numa erosão despenquei na ribanceira fracassado

Resultado é um mundo vazio da Rute não sou mais amado

Ela chora noutros braços cada vez que ainda me vê

Rute não posso viver sem seu amor meu fim é morrer

Vou definhando sozinho Rute defina acompanhada

Sem nós amar de verdade somos desastrado no começo da estrada

Não interessa ver Rute morta nem ela de ver eu morto também

Nosso amor impossível mais culminará perto e não no além

Vivos juntos sofreremos ela continua ser o meu bem

Fora deste mundo nada adiantará nem minha ou de outro alguém

Composta em 4/11/2006

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado