Adélio Carlini Valsa Vida Nova (Valsa)

Vida Nova (Valsa)

De nada adianta procurar solução jamais faz ninho no meu coração.
Amor morre e sem renascimento isto deixa triste me chamando em todo o momento.
Nova vida, nova vida eu enfrento, nova vida, nova vida, sem aposento.
Nova vida, nova vida, a todo momento, nova vida sem você no aquecimento.

(Nova vida, nova vida, que eu quero é nova vida, nova vida que eu mais quero)

Vida nova, vida nova, de sobra com fartura. Vida, nova, vida nova, com carinhosa criatura.
Sou nativo na natureza com amor livre de usura não interesso amor nascer dum cadáver de sepultura.
Ausente de mim esquecendo isso será também minha cura derreteu minha ternura.
Amor fingido é o que mais pouco dura; é um cristal quebrando não mais apura.

(Nova vida, nova vida, que eu quero é nova vida, nova vida que eu mais quero).

Vida nova que eu quero é o fim deste emaranhado mistério.
Fique aí bem congelada em temperatura abaixo de zero.
Distante de você os novos amor chorei mais regenero.
Sofri,sonhei ,disfarcei hoje em tudo eu prospero.

( Nova vida, nova vida,que eu quero,é nova vida nova vida que eu mais quero)

Composta em 28/10/2006 Hora 9;57

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado