Adélio Carlini Vanerão Destino Ingrato (Vanerão)

Destino Ingrato (Vanerão)

Quando era madrugada estava na mangueira.
Esperando a hora do patrão vim ordenhar.     
Seu filho acordado esperando o meu leite.     
Que com chuva ou frio eu tinha de fabricar.   
Meu pasto rapado sem ter ração diária.
Mesmo obedecendo tinha de apanhar.
Surrava com corda grossa dobrada ao meio.
O nome mais feio tinham de aceitar.
Meu filho também esperava ansioso.
Sabendo que micro migalha pra ele ia sobrar.

Quarenta mil milímetros de leite.
Todos a dias calminha tinham de produzir.
Multiplique isso por um quinto de século.
Um trilhão e meio podem conferir.
Com o tempo passando fiquei cansada.
Minhas mamas fortes vieram falir.
Organismo que era bom produtor.
Com dor e forte sem clamar ou sentir.
Tristeza em ver meus filhos robustos.
Viajarem para o corte sem me despedir

Hoje no mesmo caminho viajando frustrada.
Sem viagem de volta sem saber o paradeiro.
Só estou sabendo que vou ser picada.
Tirar meu couro pra ganhar seu dinheiro.
Patrão já bem rico com filhos doutores.
Meu melhor pedaço é deles primeiro.
Coração transpassado num fogo ardente.
Churrasco predileto de rico fazendeiro.
Adeus mundo querido que tanto produzir.
Até depois de morta alegrando o açougueiro.

Minhas companheiras com o mesmo destino.
Milhares delas também produziram igual.
Patrão pé de chinelo logo enriqueceu.
Mandando nos bancos sem precisar de aval.
Patrimônio no estrangeiro poluiu mais externou.
Multiplicou enorme fonte de capital.
Seus filhos estudaram nos Estados Unidos.
Aqui para eles não existe mais grau.
Compare as companheiras que igual produziu.
Converta isso em dólar ou também em real.

Adeus companheiras logo é sua vez fique aguardando o patrão algoz
Nossa sorte é sempre irreversível que desde o começo do mundo reservado a nós.
Mas nosso patrão também tem sorte tirana quem manda no seu fôlego tira sua voz.
Os ricos carrascos têm castigo dobrado para o superior castigo é veloz.

Entre quatro paredes em cova profunda
Pagaras em miúdo o que fez para nós

Composta em 29 de novembro de 2006 – às 16h08

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado