Galo Capão (Vanerão)

Seu  José radiante contente com quinze filhos calabiados.
Tem francês alemão e português africano índios e olho azulado.
Raça amarela nortista e espanhola gaúcho de bota lenço amarrado.
Comunidade diz que ele é galo capão cria pintos deixa galinhas sossegado.

Dá mamadeira faz almoço janta trata na boca crianças e os enteados.
Lava as calcinhas dá banho troca roupas manda na escola  mocinhas engravidado.
Seu José é conhecido pelo zelo e premio que recebe escolhido glorioso afamado.
Recebe cartas telefone e um e meio sem segredo passa à esposa o recado.

Vida folgada sem usar chapéu os chifres são cabide do coitado.
É bom anfitrião recebe bem os falsos amigos prepara caviar e leitão assado.
Bom condutor de amigos pra esposa deixando o ambiente requintado.
Chegou comprar preservativo cessando ter mais filhos calabiado.
Ela o tem ele como jóia um santo beatificado.
Sócio em salário de família com rebanho equipado.
Ai de quem lá por o bico pode sair destripado.
Ele sua barra de ouro zela bem e bem guardado.
Tem cigarro vinho do porto quer que fique advogado.
Leva uma vida de rei ninguém fique enciumado.
No dia que ele morrer ambos vai ser sepultado.
Padrão sócio igual esse No mundo jamais é achado.

Composto em 31 de julho de 2006 – às 13h32

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.