Adélio Carlini Vanerão Jorro de Bombas (Vanerão)

Jorro de Bombas (Vanerão)

Socorro meus amigos que eu fui assaltado amordaçado sem manifestar.
Levou a jóia tudo que eu possuía frustrado abatido vivo a chorar.
Chegando a casa achei tudo vazio quem me amava não veio me encontrar
Levaram o que eu tinha estou desesperado num vago de vida tudo vai desabar

Espero receber algumas notícias nem que seja uma carta de confirmação.
Porque se eu souber onde ela se encontra irei ao seu lado numa explosão.
Resgatarei provocando uma guerra se ela estiver num cofre de proteção.
Uns jorro de bombas dou fim no inimigo resgato a jóia do meu coração.

Acautelem meu míssil é certeiro prejuízos não darei vazão.
Não haverá esconderijo que eu não localize resgatando a rosa em botão.
Minhas proezas todos conhecem minhas forças supera milhar de Sansão.
Com rapidez conquisto de volta senão estas terras deixam em escuridão.

Num vasto bombardeio com novidade desloco sol e lua noutra constelação.
Mundo irá passear milhar de anos luz transfiro o povo na imensidão.
Minhas riquezas resgatam com sucesso conduzo o mundo na órbita do dragão.
Jorro de bombas lançarei sem trégua mundo pagará por essa traição.

Composta em 26 de julho de 2006 – às 12h49

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo relacionado