Raios de Amor (Vanerão)

Ela saiu ele entrou, ele saiu ela entrou
Assim acontece quem finge de amor.

O sol abastece, desde que nasce e desce.vida prateada da lua que ele oferece.
Nos eclipse que se encontram ambos escurece  no amor enfurece.
Ela finge de doente o sol corre medica ele presente ela diz dói aqui dói acolá.
O sol paciente a milênios não cansa de esperar sem o amor se completar.

O sol tão quente não aquece a gelada lua, ele sempre exposto  e o amor continua.
Companheira nas quatro fases mais coberta do que nua e o sol permanece na sua,
Sol e lua são idênticos com a vida de um poeta, raios de amor e afeto  versos vem seleta,
Mesmo na escuridão e solidão sua alma se completa devagarzinho faz sua coleta.

Seu amor finge de doente quando tem outro na estrada se a aproxima ela diz estar cansada.
Ele disfarça com a viola cantando lindas toadas o amor dividido deixa-as amuada.
Ele não cansa de dar energia mesmo sem recompensa e sabe que não existe doença.
Torna surdo e mudo e ele finge na escutar as longas sentenças eclipse não faz diferença.

Composta 26 de outubro de 2006 – às 11h58

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.